O MAIOR DESAFIO DO TURFE MUNDIAL: JORGE RICARDO x RUSSELL BAZE

JORGE RICARDO: É filho de Antônio Ricardo, catarinense de Urussanga, jóquei que conquistou o maior número de vitórias em hipódromos sul-americanos em uma temporada à sua época , passando após a atuar como treinador , hoje falecido.

Aos 16 anos Jorge Ricardo começou a montar como aprendiz de jóquei no Hipódromo da Gávea, na cidade do Rio de Janeiro. Em 16 de novembro de 1976 conseguiu sua primeira vitória em montando o cavalo Taim, treinado pelo seu pai, que também muito lhe ensinou da arte de condução.

Em 1977 passou à categoria de jóquei. Iniciando assim, uma carreira de sucesso, contando hoje com mais de 12.000 vitórias, sendo inúmeras delas em provas de grupo, como o Grande Prêmio Brasil, Grande Prêmio São Paulo e o Grande Prêmio Bento Gonçalves.

Em junho de 2006 mudou-se para a Argentina, com o objetivo de bater o recorde mundial de vitórias. Tornou-se ídolo e líder das estatísticas dos dois principais hipódromos da Argentina, alcançando a época o recorde mundial de vitórias.

Desde 1982 até hoje, ganhou mais de 30 estatísticas anuais, sendo 26 delas no Brasil.

Na temporada de 2008 bateu seu próprio recorde, ganhando 467 corridas na Argentina em um único ano. Por onde passou Ricardinho deixou sua marca.

Venceu mais de 160 clássicos de Grupo I, tendo vencido, inclusive, em 5 oportunidades, a prova mais importante do turfe sul-americano, o “Grande Prêmio Internacional Latino Americano” (Grupo I).

Segundo ele mesmo afirma, o melhor cavalo que já montou foi Much Better, do Stud TNT.

Em 2009 Ricardo sofreu uma queda, diminuindo seu ritmo de montarias e em junho de 2009 foi ultrapassado por Baze. Ainda em 2009 cessou sua atuação por vários meses para submeter-se a quimioterapia. Todavia J.Ricardo manteve seu foco, venceu sua luta contra o câncer e retornou as pistas na caça de Russel Baze. O placar atual dá vantagem de 75 vitórias para o Canadense, mas para quem conhece a máquina Jorge Ricardo sabe que ele não costuma se entregar, e certamente vai repicar para cima do ponteiro.

 

RUSSELL BAZE: Nascido de uma americana de família, pai de Baze, Joe Baze, é um ex-jockey e treinador , que estava competindo no Parque de Exposições , em Vancouver, no momento de seu nascimento dando-lhe a cidadania canadense / americano dual.

Baze começou a sua carreira de piloto em Walla Walla, Washington , em 1974, e venceu sua primeira corrida que se enquadram no Yakima pista. No início da década de 1980, ele estava fazendo um nome para si mesmo, ganhando títulos de corrida no norte da Califórnia pistas, incluindo uma vitória em 1981 Califórnia Derby . Baze passou a liderar Estados Unidos puro-sangue de corrida de cavalos em vitórias dez vezes. Ele ganhou 36 títulos de montaria em Bay Meadows pista em San Mateo, Califórnia e 27 títulos em Golden Gate Campos em Albany, Califórnia .

Em 1999, Baze foi introduzido no Museu Nacional de Corrida e Hall of Fame e em 2002, ele foi eleito o ganhador do prestigioso George Woolf Memorial Award Jockey pelos seus pares. Desde a inauguração do Prêmio Murphy Isaac em 1995, apresentado anualmente pelo Turf National Writers Association para o jockey com o maior percentual de vitórias na América do Norte, Baze ganhou-o 13 a 14 anos, chegando em segundo em 2004. [ 3 ]

Baze detém o Santa Anita Parque histórico de 1 1 / 2 milhas na relva estabelecidos em 14/10/1989, a bordo do year-old colt, Hawkster. Na quarta corrida em Bay Meadows, em 1º de dezembro de 2006, Baze ganhou muito mais fama, definindo recorde do mundo para a maioria das vitórias na carreira, passando jockey Laffit Pincay Jr. , ao vencer corrida 9531 a bordo da borboleta Belle, de propriedade de Jim Pitzer Irmã de Washington. Entre outras realizações notáveis, durante os dois dias de 17 e 18 de outubro de 2007, Baze venceu onze corridas.

Apesar de ter vencido todas as corridas de outras participações, em Golden Gate Campos , Russell nunca havia vencido mais prestigiada corrida da pista: o San Francisco Breeders ‘Cup Mile . Isso mudou em 24 de abril de 2010, quando ele assumiu a corrida no Chieftain Negrito do precursor, Monterey Jazz .

Em 1 de Fevereiro de 2008, no Golden Gate Campos , Baze montou Dois Cat passo para uma foto finish vitória na terceira corrida para se tornar o primeiro piloto norte-americano a ganhar 10.000 corridas. Em 14 de agosto de 2010, na quarta corrida no Sonoma County Fairgrounds em Santa Rosa, Califórnia, Baze montou Floresta separado, uma partida pela primeira vez, a sua 11.000 ª vitória.

 

Em 7 de julho de 2013 em Pleasanton, Califórnia, montando Handful of Pearls, Baze venceu a última corrida no último dia da Alameda County Fair, tornando-se seus 12.000 ª vitória e sua 4 ª vitória do dia. Atualmente o canadense é o líder mundia de vitórias, mas vai precisar galhardia para resistir ao ímpeto do brasileiro Jorge Ricardo.

18 DE SETEMBRO vem aí, JORGE RICARDO x RUSSELL BAZE!!!!!! DEIXA ANDAR RICARDINHO……….

CUBANA FAZ BRILHAR AS CORES DO STUD H&R NO CLÁSSICO FERNANDO SCHNEIDER

A principal prova da reunião da última quinta-feira no hipódromo do Cristal – Clássico Presidente Fernando Jorge Schneider – confirmou “CUBANA” como a melhor fêmea velocista do Rio Grande do Sul. Descendente do interminável Mensageiro Alado e de Green Jacket (Exile King), a castanha conta com um treinamento caprichado de Nilton Pires, que aliás desde suas primeiras passadas a definiu como craque. Condução esperta de Adaílton Nascimento no dorso desta máquina criada nos campos da Agropecuária e Haras Roll LTDA, tendo ela mais uma vez envergado a mesma farda do campeão do GP BRASIL 2011 (G1), Bello Acteon, do Stud H&R. Bellamore voltando aos seus bons momentos pagou placê. Luz Negra foi bem em seu teste de fogo, ficando com terceiro lugar. Viola Enluarada correndo abaixo do esperado, chegou em um apagado quarto lugar.

CUBANA FAZ BRILHAR AS CORES DO STUD H&R

VICTORY HALL VENCE CLÁSSICO EOLO ANTÔNIO ARIOILI E MANTÉM LIDERANÇA ENTRE OS POTROS

O Clássico em homenagem ao saudoso Eolo Antônio Arioli – 2ª Prova da Tríplice Coroa Juvenil, marcava o retorno do líder Victory Hall as pistas, todavia o campo da prova era numeroso e qualificado, fatores estes que somados ao aumento da distância colocavam em dúvida a supremacia do pupilo de Sandro Canal.

Logo após a autorização do árbitro de partida, Win Next foi o primeiro a se apresentar, seguido de perto por Victory Hall, e Whoopee Maker. Ao ingressarem pela reta dos fundos, Win Next acelerou um pouco o ritmo e abriu vantagem de dois corpos sobre Victory Hall, enquanto Whoope Maker, Selo Secreto, Grilado, Kacique Fon, Cometa Karlo corriam embolados e se alternando nas posições subseqüentes. Mais afastados corriam Quentão, Speed Load, Chamarisco e Rei do Tango. Ao contornarem a curva do barra shoping e apontarem pelo linheiro final, Win Next seguia ditando o ritmo do páreo, mas agora com Victory Hall agarrado a ele. Whoope Maker que havia achado uma ótima passagem pelo interno da pista, acabou vendo a porta se fechar quando Win Next involuntariamente levou Victory Hill para dentro, Grilado neste momento era o quarto colocado, e Quentão começava a evoluir da retaguarda. A partir deste momento a disputa ficou apenas entre o conduzido de Ederval Teixeira e o pupilo de Antonio Carlos Silveira, haja vista que Whoope Maker perdeu contato com no lance ocorrido na entrada da reta, e os demais em pouco animavam até então. Faltando 150 metros para a sentença final a carreira seguia indefinida, pois Win Next não dava tréguas para Victory Hall e repicava sempre para cima do pupilo de Marcelo Rosa, mas este pegado a fundo pelo seu piloto, firmou o garrão e cruzou o epelho com aproximadamente dois corpos de vantagem sobre o valente Win Next.  Whoopee Maker e Quentão ainda descontaram nos metros finais, mas no final tiveram de se contentar com a terceira e quarta colocação respectivamente.  Chamarisco no final se apresentou na quinta colocação.

 

VICTORY HALL MANTÉM LIDERANÇA ENTRE OS POTROS

 

O ganhador é um M/C – 2 anos – por Avanzado e Gura (Blushing John), de criação do Haras Ereporã e de propriedade de Sandro Canal. Esta foi sua terceira vitória em quatro apresentações, sendo a segunda na esfera clássica. Destaque para o exemplar preparo dado pelo treinador Marcelo Rosa, e pela enérgica e precisa condução imposta por Ederval Teixeira

Tempo:  1m44s90.

Veja como foi a prova: